Terça-feira, 7 de Julho de 2009
Brincar com os números: "Internet – 30.000 Crianças Por Dia Vítimas de Assédio Sexual"

Internet: 30.000 crianças por dia vítimas de assédio sexual”. Este foi um dos títulos de primeira página do semanário Expresso de 4 de Julho de 2009. O número já era por mim conhecido desde Março, quando surgiu pela primeira vez numa notícia do Correio da Manhã. Recordo-me de, na época, ter sido entrevistado por alguns órgãos de comunicação social a propósito deste número e de ter tido oportunidade de questionar a sua fiabilidade o que não obstou à sua vinculação pura e simples, por vezes com a indicação de que este número até podia pecar por defeito.

 

Contacto do Expresso

Daí que, ao ser contactado pelo Expresso no final de Junho, a propósito desta notícia do Correio da Manhã, ter tido o cuidado de alertar novamente para a falta de fiabilidade do número que esta última notícia do Correio da Manhã repetia. À jornalista que me contactou escrevi, fazendo referência à notícia do Correio da Manhã: “Gostava de deixar bem claro que não existe nenhum estudo que consubstancie as declarações atribuídas ao Inspector-Chefe Camilo Oliveira da Polícia Judiciária de Coimbra. Com todo o devido respeito que me merece o trabalho do Inspector-Chefe Camilo Oliveira e da Polícia Judiciária, este tema exige seriedade e responsabilidade na abordagem do mesmo. "Estimativas" do tipo regra de três, não se enquadram nessa perspectiva. Este tipo de afirmações primam pelo sensacionalismo e pelo alarmismo, em nada contribuindo para uma abordagem séria e esclarecida do assunto.” Depois deste alerta, foi com surpresa que li o título da primeira página do Expresso, desenvolvido na notícia da página 26, ao lado de uma peça, na página 27, para a qual prestei declarações, forneci informações, indiquei estudos estrangeiros sobre o assunto - com a ressalva que os dados destes não poderiam ser extrapolados para a realidade portuguesa - referindo ainda outras fontes potenciais que poderia ser interessante ouvir a propósito deste tema. 

 

Como se Chegou a Este Número?

Perante isto e para que este número não se transforme numa verdade inquestionável, importa perceber como se chegou a ele. Segundo uma nota de Fevereiro de 2009 do Instituto Nacional de Estatística (PDF 157 Kb), de acordo com o Inquérito à Utilização de Tecnologias da Informação e da Comunicação pelas Famílias (indivíduos dos 10 aos 15 anos) 2005 – 2008, “no primeiro trimestre de 2008, 96,6% dos indivíduos com idade compreendida entre os 10 e os 15 anos utilizaram computador e 92,7% Internet, enquanto que a utilização de telemóvel se situou em 84,6% neste grupo etário”. Segundo a já referida edição de Março do Correio da Manhã, em declarações aparentemente atribuídas ao Inspector-Chefe Camilo Oliveira, em Portugal, segundo o Instituto de Estatística, há 601 894 crianças com idades entre os 10 e 15 anos com net”. Não consegui confirmar este número, mas para efeitos desta explicação, dou-o como certo. Uma citação do Inspector-Chefe Camilo Oliveira nessa mesma edição do Correio da Manhã explica como se chega ao número de 30.000 crianças vítimas de assédio sexual na Internet: “Se 5% forem aliciadas sexualmente, isso representa um número elevado de vítimas ”. Sublinho o “se”... um grande “se”... ou seja, estamos perante uma hipótese extrapolada através de uma regra de três simples: se 601.894 é igual a 100% das crianças entre os 10 e os 15 anos com acesso à Internet, então, 5% é igual 30.095 crianças entre os 10 e os 15 anos com acesso à Internet vítimas de assédio sexual através da net. Estas 30.000 crianças tanto podem ser vítimas de assédio sexual através da Internet como de outra coisa qualquer. Em rigor, basta substituir a expressão “assédio sexual” por outra qualquer “et voilá”! E são 5% como podiam ser 50% ou 0,005%. Se, e sublinho novamente o “se”, forem 10%, o número, espante-se, duplica! Então, porquê 5%, pergunto-me. A explicação vem a seguir: “E a percentagem poderá pecar por defeito: uma sondagem na Escócia revelou que 50% dos menores foram assediados”. Não encontrei a tal sondagem na Escócia – se alguém souber da fonte da mesma, agradeço a referência - mas fiquei a perceber que a estimativa é conservadora! Mas se tiver o mesmo rigor da portuguesa, acho que estamos conversados. Isto para não referir que não podemos extrapolar dados de outra realidade para a nossa, mas enfim. Perante isto pergunto-me se esta é a forma segundo a qual a Polícia Judiciária estima outro tipo de crimes. Se assim for, valha-nos Deus! Mas em Março, expressei ainda outra dúvida: este número (30.000) refere-se a que intervalo de tempo? Um ano? Um trimestre? Um dia? A primeira página do Expresso, elucidou-me: “por dia”!

 

É Fazer as Contas”

Então, usando o mesmo “rigor científico” da regra de três com que se chegou ao número de 30.000 crianças por dia vítimas de assédio sexual através da Internet, façamos algumas contas: em 10 dias temos 300.000 crianças; em 100 dias teremos 3 milhões; num ano teremos 10.950.000 crianças portuguesas entre os 10 e os 15 anos, com acesso à Internet, vítimas de assédio sexual através da Internet! O problema é que este número é, segundo o INE, superior a toda a população portuguesa e em Portugal, segundo os tais dados do INE, nem 1 milhão de crianças temos nessa idade e a dispor de acesso à Internet. Mas o leitor poderá dizer, e muito bem, que estas regras também não são rigorosas, pois como já li, “esta operação não é aplicável neste contexto, pois estaríamos a supor 30.000 novas vítimas por dia, o que não é o caso. Nesta área o mais frequente é a repetição dos abusos sobre a mesma vítima.” Claro que o meu cálculo também não é rigoroso. Limitei-me a seguir o mesmo “rigor científico” seguido para se chegar ao número das 30.000, apenas para demonstrar que estas questões não se resolvem com regras de três simples. E disso dei conta ao Director do Expresso, Henrique Monteiro, “oferecendo” uma calculadora “virtual” que este, muito diplomaticamente e com fair-play, aceitou, acrescentando algo que me preocupou: “Quanto ao número são informações da PJ. Todas as perguntas que fez, fiz eu aos autores” e avise quem deve ser avisado”.

 

Cross-Checking” ou “Fact-Checking”

Preocupa-me que um órgão de comunicação social que prezo e que tenho como fidedigno se limite a repetir dados que lhe são fornecidos por uma fonte, por muito idónea que seja, sem fazer o exercício que fiz acima, sobretudo depois de avisados para a questionabilidade dos mesmos. Por outro lado, teria bastado consultar duas outras fontes alternativas para verificar a fiabilidade destes números.

 

Só Porque Está na Net...”

Só porque está na Internet não quer dizer que seja verdade. E já agora, o mesmo se aplica ao que vemos, lemos ou ouvimos na imprensa, rádio e televisão. Esta é uma frase que uso em quase todas as acções de sensibilização sobre a segurança de crianças e jovens na Internet destinadas a estudantes, pais, professores e outros profissionais. E só neste primeiro semestre de 2009 foram 58 acções em 36 municípios de 13 Distritos do Continente. Nestas acções habitualmente saliento que os conteúdos na Internet não estão sujeitos a mesmo crivo e hierarquia de responsabilidade da generalidade dos meios de comunicação social tradicionais, como a imprensa, rádio e televisão. Nestes, para além do jornalista, os conteúdos passam pelo crivo de Chefes de Redacção, Editores e Directores, enquanto na Internet, apenas os autores dos conteúdos respondem pelo que escrevem. Acresce que aos estudantes, geralmente recomendo que façam como os jornalistas, isto é, cruzem a informação com pelo menos duas fontes credíveis alternativas que confirmem a informação da fonte original. Pena que o Expresso não tenha feito o mesmo. 

 

Qual a Dimensão em Portugal?”.

Perante isto perguntamo-nos: “Então, qual a real dimensão em Portugal do fenómeno do assédio sexual de crianças e jovens através da Internet?”. A realidade é – que seja do meu conhecimento e se alguém o tiver agradeço a referência - não temos nenhum estudo credível realizado em Portugal que nos permita quantificar o fenómeno. Eis uma lacuna que poderia ser colmata mediante um projecto de investigação a desenvolver, por exemplo, no âmbito do Centro de Estudos Judiciários, do Instituto Superior de Ciências Policiais e Segurança Interna, entre outras instituições académicas vocacionadas para este tipo de investigação. E a título de exemplo, à semelhança da informação que partilhei com a jornalista do Expresso, cito a investigação que tem vindo a ser desenvolvida pelo Crimes Against Children Research Center da Universidade de New Hampshire, nos Estados Unidos.


A Concluir...

Pessoas como o Inspector-Chefe Camilo Oliveira e outros profissionais no domínio da protecção de crianças e jovens e da prevenção do abuso e assédio sexual que lidam com testemunhos na primeira pessoa, relatos, imagens e casos de abuso sexual de crianças e jovens são confrontados quotidianamente com uma das piores, senão mesmo a pior, faceta do Homem. Merecem-nos por isso todo o respeito e consideração. Pontualmente recebo testemunhos e relatos e confronto-me com este tipo de casos e acreditem que não é fácil. Por lidarem quotidianamente com estas situações, têm uma noção desta realidade que a generalidade das pessoas não tem. Mas a sua perspectiva tende a ser enviesada. Tomam o todo pelas partes ou vice-versa. Infelizmente, esta perspectiva faz o gáudio de alguma comunicação social que se pauta pelo alarmismo e pelo sensacionalismo. Esta é uma experiência pela qual os Estados Unidos e outros países já passaram e da qual se esforçam agora por sair. É com tristeza que vejo os mesmo erros serem repetidos em Portugal. Digo isto para não ficarem com a ideia que pretendo de algum forma substimar o problema do abuso e do assédio sexual de crianças e jovens através da Internet. Ele existe. Existem as chamadas cifras negras, isto é, crimes não denunciados às autoridades. Estamos perante um problema grave na medida em que um caso, não é apenas um caso. É um caso demais. Desde 2003 que tenho vindo a chamar à atenção para o problema. Mas esse esforço não se pode basear no alarmismo fácil e sensacionalista. O contributo da investigação é essencial para termos uma noção da real dimensão do problema. Mas tal não implica que até lá se fique de braços cruzados. Até lá, há que sensibilizar e educar, algo que tenho feito e que também o Inspector-Chefe Camilo Oliveira e outros responsáveis da PJ, um pouco por todo o país, têm feito. Mas é importante mantermos uma perspectiva equilibrada, sem alarmismos, nem sensacionalismos. De uma forma esclarecida.

 


sinto-me:
Categorias:

Publicado por Tito de Morais às 04:10
Link do post | Comentar | Adicionar aos favoritos

Comentários:
De A-lupa-de-alguem a 9 de Julho de 2009 às 10:43
Olá. Queria apenas dizer que é bom que este blog esteja nos destaques, pois contem informações sérias e necessárias. Quase todos os dias ouvimos relatos de crianças enganadas por pessoas sem escrúpulos .há tempos recebi um email que creio ser verdadeiro com uma história incrível , mas felizmente acabou bem. Possivelmente até o deve conhecer. Era sobre uma menina e um policia...


Comentar post

Subscreva a Newsletter
[MiudosSegurosNa.Net]

> Adicionar aos favoritos
> Adicionar ao Del.icio.us
> Imprimir esta página
> Recomendar Página
Pesquisar este blog
 
Posts recentes

Projecto de Regulamento G...

Como Separar o Trigo do J...

#UmaCoisaBoa - Ana M., Vi...

#UmaCoisaBoa - Eduardo C....

#UmaCoisaBoa - Bruno S., ...

#UmaCoisaBoa - Tom H., Vi...

#UmaCoisaBoa - Hugo M., M...

#UmaCoisaBoa - Teresa G.,...

#UmaCoisaBoa - Marta e Di...

#UmaCoisaBoa - Maria C., ...

Categorias

crianças(33)

#umacoisaboa(31)

dia por uma internet mais segura(29)

semana por uma internet mais segura(29)

riscos(25)

segurança(25)

eukidsonline(20)

internet(17)

jovens(15)

soluções educativas(15)

ligações do dia(14)

links do dia(14)

online(14)

soluções educacionais(14)

mitos(13)

soluções tecnológicas(13)

eu(12)

kids(12)

criança(11)

privacidade(9)

todas as tags

Arquivos

Dezembro 2015

Julho 2015

Fevereiro 2014

Janeiro 2014

Agosto 2013

Janeiro 2013

Outubro 2012

Setembro 2012

Maio 2012

Outubro 2011

Setembro 2011

Fevereiro 2011

Janeiro 2011

Setembro 2010

Agosto 2010

Janeiro 2010

Dezembro 2009

Novembro 2009

Outubro 2009

Julho 2009

Dezembro 2008

Novembro 2008

Outubro 2008

Setembro 2008

Agosto 2008

Julho 2008

Janeiro 2008

Outubro 2007

Setembro 2007

Agosto 2007

Julho 2007

NetworkedBlogs
Facebook FanBox
"Projecto MiudosSegurosNa.Net" no Facebook
Subscrever feeds
blogs SAPO